• Últimas Notícias

    Pode "Os Padrinhos Mágicos" ser uma metáfora da depressão?

    E se aquele desenho voltado pras crianças tivesse uma mensagem um tanto mais adulta? Pegue seu remédio de cada dia e descubra que nem tudo é exatamente o que parece ser.



    Tem gente que não tem muita coisa o que fazer e decide, uma vez ou outra indagar-se sobre a vida e a verdade. E, o melhor palco para histórias completamente delirantes é a Internet, nosso centro de entretenimento atual. Por mais absurdo, surreal ou ilógico, algumas fazem bastante sentido. Outras só são uma viagem completa. E, dentro deste imbróglio, temos Os Padrinhos Mágicos, desenho pra lá de divertido que vira e mexe passava na televisão a cabo. A mensagem subliminar dentro daquelas imagens, segundo aqueles que aceitas esta teoria é bem mais sinistra: já que o protagonista estaria sofrendo de depressão. Como nós não vimos isso antes eu não sei, mas vamos as explicações.

    Os Padrinhos Mágicos era, até sua última exibição em 2017, o segundo desenho do canal Nickelodeon em audiência. Perdendo apenas para Bob Esponja Calça Quadrada. A história, bem simples retrata a jornada do jovem Timmy Turner, de 10 anos. Com pais que pouco importam para a sua existência e completamente ignorado na vida, o garoto ganha Padrinhos Mágicos na forma de fadas. Cosmo e Wanda serão os seus guias pelas mais loucas aventuras - embora normalmente é Cosmo quem as comece. Só que as coisas ficam um pouco confusas quando você compara essas amadas fadas com dois medicamentos.

    Sim, pois Cosmo e Wanda são comparados com a Sertralina e a Fluoxetina, dois antidepressivos. Ambos são do tipo de inibidores de recaptação de serotonina. Algo que no Brasil chama-se remédio com controle através de retenção de receita. E como se chegou a essa ideia? Fácil, o desenho mostra a todo o momento que as fadas são o arquétipo da luta contra a depressão. A começar pelo começo mesmo, desde a abertura. Timmy sempre é visto triste, desolado até chegar em casa e falar com seus "peixinhos", ou melhor "remedinhos".

    Os olhos desse garoto estão esbugalhados demais pro meu gosto!
    De fato, a vida do garoto não era feliz nem na China. Como já falado, os pais deles se importavam da mesma forma que olhavam para uma porta. Na escola, era zombado por outros colegas e ainda tinha e quando chegava em casa, ainda tinha a Vicky, sua babá dos infernos. Com tudo isso em sua vida, o garoto não tinha motivo para viver, até que seus Padrinhos aparecem. O desenho deixa muito bem claro que eles só surgem quando uma criança tem problema. E, depois que ele é resolvido, elas vão embora.

    Todas as confusões que Timmy passa junto de seus padrinhos é fruto do abuso desses medicamentos. E, por ser extremamente dependente desses, suas fadas nunca vão embora. Só que ainda tem mais; os "Padrinhos" eram o segredo de Timmy pois ninguém poderia saber que ele estava usando estes medicamentos por ele mesmo. Ninguém consegue responder como uma criança de 10 anos consegue comprar estes tipos de remédios, mas tudo bem! Admitindo tudo isso numa ideia de metáfora, é até plausível pensar que as entrelinhas do desenho leva a entender do abuso dessas substâncias.

    Mas ainda tem mais, isso por que outro ponto de Os Padrinhos Mágicos coloca ainda mais sal na ferida dessa teoria. Trata-se do Professor Crocker. Pra quem se lembra, este personagem sempre se envolve de alguma forma em tentar capturar as fadas de Timmy e mostrá-las ao mundo. Na teoria dos remédios, Crocker seria uma versão em abstinência de alguém sem estes medicamentos. Faz sentido quanto no desenho é destacado que ele possuía "Padrinhos Mágicos" na infância, e pela sua vontade ensandecida de capturar estas criaturas.

    Depois dessa viagem psicodélica pelas entrelinhas de um desenho animado, temos a noção de que animações não são tão inocentes quanto se quer provar. Admitindo que tudo isso é minimamente possível - com ligações até interessantes - o subtexto da série de desenhos se torna bem mais complexo. Isso é pra você que acha que desenho é coisa de criança. Você pode estar assistindo bebês que já morreram, a conflitos inter-raciais ou até mesmo fadas, que na verdade são remédios necessários para uma criança viver em paz. Bem tendo isso!

    Nenhum comentário

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad